09/02/2018

PGFN explica Portaria que regulamenta etapa de consolidação das modalidades de parcelamento e pagamento à vista da reabertura da Lei nº 11.941/09

Fonte: Tributário.com

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) explica a publicação
da Portaria PGFN nº 31/2018, que disciplina o procedimento de
consolidação de débitos para parcelamento e pagamento à vista com
utilização de créditos de prejuízo fiscal ou de base de cálculo negativa da
Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).
A Portaria nº 31/2018 trata das modalidades previstas no artigo 17 da Lei
nº 12.865/2013, que é reabertura da Lei nº 11.941/2009.
Como proceder
Contribuintes com os créditos referidos acima que tenham optado por
alguma modalidade de parcelamento ou que tenham débitos perante à
PGFN a parcelar poderão realizar a consolidação dos débitos até 28 de
fevereiro, por meio do e-CAC da Receita Federal do Brasil.
Serão consolidadas apenas as modalidades de parcelamento de débitos
perante a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), visto que a
consolidação de débitos da RFB ocorreu em 2017, por meio da IN RFB nº
1.735/2017.
– Débitos em exigibilidade suspensa
Para incluir na consolidação débitos nesta situação, o contribuinte deverá
selecioná-los no momento da consolidação. Se os débitos não estiverem
disponíveis para escolha, o requerente deverá protocolar pedido de revisão
em uma unidade de atendimento da Receita Federal do Brasil (RFB) até o
fim do prazo da consolidação.
– Débitos em ações judiciais
As desistências de ações judiciais devem ser realizadas até o último dia útil
do mês de março. Se o débito estiver vinculado à depósito judicial, a
inclusão deste na consolidação poderá ocorrer somente após apuração do
respectivo saldo remanescente não liquidado por depósito — a ação será
feita mediante prévia conversão em renda ou transformação em
pagamento definitivo dos valores depositados.
– Abatimentos de pagamentos já realizados
Contribuintes que efetuaram pagamentos para abatimento dos débitos
inscritos, devem realizar o procedimento completo de consolidação:
selecionar os débitos para consolidar; informar os montantes dos créditos
de prejuízo fiscal ou de base de cálculo negativa da CSLL e selecionar a
quantidade de parcelas.
Feito isso, o sistema analisará os valores depositados anteriormente e o
valor das parcelas a serem pagas e informará se a dívida já foi liquidada —
caso os pagamentos já realizados suprirem as dívidas — ou informará o
saldo remanescente para pagamento.
Confirmação dos créditos
Os montantes dos créditos referidos estão sujeitos à confirmação pela
Receita Federal do Brasil (RFB), ação que poderá durar até cinco anos
contados a partir da prestação das informações. Caso os créditos não sejam
reconhecidos, a PGFN revisará as dívidas, cancelará os parcelamentos ou
pagamentos feitos com estes créditos e recomporá os débitos para devido
pagamento.