22/03/2018

Inclusão de idosos como dependentes exige cuidado para não aumentar IR

Fonte: Tributario.com

Uma das possibilidades para ampliar as deduções do Imposto de Renda
Pessoa Física (IRPF), a inclusão de dependentes idosos exige cuidados. Em
vez de reduzir o imposto a pagar ou aumentar a restituição a receber, a
relação de pais, avós e bisavós como dependentes na declaração pode ter
o efeito contrário.
Pela legislação, podem ser incluídos como dependentes na declaração do
Imposto de Renda pais, avós e bisavós que tenham recebido rendimentos
– tributáveis ou não – de até R$ 22.847,76 em 2017 cada um. Sogros dentro
desse limite de rendimentos também podem ser registrados, no caso de
declaração conjunta do casal.
O declarante pode deduzir até R$ 2.275,09 por dependente. A inclusão de
idosos na declaração, no entanto, requer cuidados porque o contribuinte
será obrigado a informar os rendimentos de cada dependente, o que pode
aumentar a base de cálculo e elevar o imposto a pagar ou diminuir o valor
da restituição.
A Receita Federal recomenda que o contribuinte teste as opções no
programa preenchedor da declaração do IRPF para ver qual das
possibilidades é mais vantajosa: a inclusão ou a exclusão dos dependentes
idosos. Quanto mais gastos por dependente o contribuinte puder deduzir,
maior a chance de aumentar o valor da restituição (ou diminuir o imposto
a pagar). Dessa forma, todos os comprovantes de gastos com idosos, como
despesas médicas, devem ser guardados para elevar o valor deduzido.
O Fisco orienta os declarantes a terem atenção ao declarar as fontes de
renda. Isso porque omissões ou imprecisões nos rendimentos próprios e de
dependentes representam algumas das principais razões de retenção da
declaração na malha fina.