24/05/2018

Empresa apresenta proposta pela SuperVia

Por Ramona Ordoñez

Fonte: O Globo

RIO - A empresa Starboard Restructuring Partners entregou, na última
terça-feira, uma proposta para aquisição da parcela da Odebrecht
TransPort na SuperVia, que administra os trens urbanos em 12 municípios
do Estado do Rio. De acordo com fontes próximas às negociações, porém,
não foi apresentado o pedido formal. A Starboard teria apenas feito uma
apresentação e solicitado maiores detalhes sobre a SuperVia. Nessa
documentação não estaria expresso um valor de aquisição.
A Odebrecht, no entanto, espera que, nos próximos dias, o grupo apresente
uma proposta formal, com valores.
A Odebrecht TransPort e a Starboard não quiseram comentar o assunto.
Criada em 2017, a Starboard presta consultoria financeira com foco em
reestruturação a empresas. Além disso, a companhia, comandada por Fábio
Vassel e Warley Pimentel, que vieram do banco Brasil Plural, também tem
como objetivo adquirir fatias de companhias em variados setores. No ano
passado, a Starboard conseguiu musculatura com a entrada do fundo
Apollo, que comprou 20% das ações da empresa. O Apollo gere mais de US$
250 bilhões no mundo.
Segundo fontes, a Odebrecht, controladora da SuperVia, estava sendo
pressionada por credores para acelerar a venda da empresa. Esse processo
se arrasta há cerca de dois anos. A venda dos ativos visa a restabelecer o
equilíbrio financeiro da Odebrecht, afetado pela Operação Lava-Jato, na
qual o conglomerado assumiu pagar propinas em seus contratos.
A SuperVia, por sua vez, enfrenta uma disputa judicial com a Light. Com o
argumento de haver um desequilíbrio econômico-financeiro no contrato de
concessão devido ao aumento das tarifas de energia acima da inflação em
2015, que não pôde repassar, a SuperVia cobra do governo uma
compensação. Em 2016, por causa dessa disputa, a Light chegou a pedir a
falência da SuperVia.
Especialistas lembram que o novo controlador da SuperVia terá de assumir
as dívidas.
O Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes, chegou a apresentar
uma oferta pela SuperVia há alguns meses. A Odebrecht, no entanto,
considerou o valor baixo e não aceitou.