26/04/2018

Desvalorização do real prejudica a recuperação

Por José de Castro e Lucinda Pinto | De São Paulo

Fonte: Valor Econômico

A desvalorização do real em relação às moedas dos países que mais têm
comércio com o Brasil prejudica a retomada da economia. O Banco Central
calcula que, de fevereiro de 2017 a março deste ano, o real teve
desvalorização, em termos reais (descontada a inflação), de 15%. Neste
mês, a depreciação se intensificou - a MCM Consultores Associados estima
que a depreciação já está em 17%.
A perda de valor do real aumenta o custo de capital das empresas, uma vez
que encarece as importações de máquinas e equipamentos. Isso afeta
negativamente a taxa de investimento, em meio a um cenário de incertezas
quanto ao resultado da eleição presidencial.
A depreciação da taxa de câmbio também tem impacto negativo sobre as
expectativas de consumidores e empresários. "Tendo a dar mais
importância às expectativas, que não são algo mensurável, tanto pensando
em inflação como em câmbio", diz o chefe do Centro de Estudos
Monetários do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV. "O estado de
espírito mobiliza os recursos para os fins produtivos. O desconforto está
aumentado e essa é a grande ameaça".
Analistas reconhecem, porém, que um real mais fraco não é algo
totalmente negativo para a economia. Alguns setores, sobretudo o
exportador de bens industriais, ficam mais competitivos no mercado
internacional, uma vez que, na prática, a desvalorização da moeda reduz
seus preços em dólar e o salário real dos trabalhadores. No caso das
commodities, o efeito positivo ocorre por meio do aumento da renda dos
produtores, tanto das agrícolas quanto das metálicas.
O benefício ao setor exportador, mesmo com a desvalorização, acaba sendo
limitado porque a participação do comércio exterior no Produto Interno
Bruto (PIB) brasileiro é modesta, 10%. Como a Formação Bruta de Capital
Fixo (FBCF), que reflete a compra de máquinas e equipamentos e os gastos
com construção e inovação, equivale a 16% do PIB, o impacto negativo da
desvalorização do real é maior sobre os investimentos.